Atenção: em razão do fim do ano, pedidos realizados a partir do dia 07/12 podem sofrer atrasos.
"A Música e o Inefável", de 1961, é a primeira obra do filósofo francês de ascendência russa Vladimir Jankélévitch (1903-1985), relacionada à música, lançada no Brasil. Fato relevante, já que ele é autor de títulos importantes sobre Debussy e Fauré, e do intrigante La Rhapsodie: Verve et improvisation musicale, no qual colocava em destaque a improvisação como elemento composicional, antecipando em 1955 questões presentes no momento atual. Desenvolvendo ideias seminais de Gaston Bachelard e Henri Bergson com relação à percepção do tempo – e da duração – e suas relações com o fenômeno musical, Jankélévitch descortina camadas de linguagem no tecido de construção musical e seus reflexos na percepção do ouvinte. Ao ecoar Kierkegaard, autor de um ensaio fundamental sobre o Don Giovanni de Mozart (“Os Estádios Eróticos Imediatos ou o Erótico-Musical”), aprofunda questões das objetividades e subjetividades musicais de forma a ultrapassar um certo mecanicismo da musicologia acadêmica. Uma leve névoa irônica perpassa o texto, de forma a suscitar no leitor a reflexão constante e crítica. Virtude de um filósofo heterodoxo que, resgatando a melhor prosa moral e lógica, estabelece conexões e cria novos nós nervosos nas texturas estratificadas do pensamento, expondo nuances que somente a criação pode oferecer. "A Música e o Inefável" acrescenta uma nova tonalidade de pensamento na análise e fruição da criação musical em nosso ambiente.

[Livio Tragtenberg]

--
ISBN: 9788527311403
Autor: Vladimir Jankélévitch
Tradutor: Clovis Salgado Gontijo
Páginas: 216
Coleção: Signos Música
Ano de publicação: 1ª 2018
Peso: 0,332 kg
Dimensões: 18x20,5 cm
MÚSICA E O INEFÁVEL
R$54,90
Quantidade
MÚSICA E O INEFÁVEL R$54,90

Conheça nossas opções de frete

"A Música e o Inefável", de 1961, é a primeira obra do filósofo francês de ascendência russa Vladimir Jankélévitch (1903-1985), relacionada à música, lançada no Brasil. Fato relevante, já que ele é autor de títulos importantes sobre Debussy e Fauré, e do intrigante La Rhapsodie: Verve et improvisation musicale, no qual colocava em destaque a improvisação como elemento composicional, antecipando em 1955 questões presentes no momento atual. Desenvolvendo ideias seminais de Gaston Bachelard e Henri Bergson com relação à percepção do tempo – e da duração – e suas relações com o fenômeno musical, Jankélévitch descortina camadas de linguagem no tecido de construção musical e seus reflexos na percepção do ouvinte. Ao ecoar Kierkegaard, autor de um ensaio fundamental sobre o Don Giovanni de Mozart (“Os Estádios Eróticos Imediatos ou o Erótico-Musical”), aprofunda questões das objetividades e subjetividades musicais de forma a ultrapassar um certo mecanicismo da musicologia acadêmica. Uma leve névoa irônica perpassa o texto, de forma a suscitar no leitor a reflexão constante e crítica. Virtude de um filósofo heterodoxo que, resgatando a melhor prosa moral e lógica, estabelece conexões e cria novos nós nervosos nas texturas estratificadas do pensamento, expondo nuances que somente a criação pode oferecer. "A Música e o Inefável" acrescenta uma nova tonalidade de pensamento na análise e fruição da criação musical em nosso ambiente.

[Livio Tragtenberg]

--
ISBN: 9788527311403
Autor: Vladimir Jankélévitch
Tradutor: Clovis Salgado Gontijo
Páginas: 216
Coleção: Signos Música
Ano de publicação: 1ª 2018
Peso: 0,332 kg
Dimensões: 18x20,5 cm