Atenção: em razão do fim do ano, pedidos realizados a partir do dia 07/12 podem sofrer atrasos.
CINEMA ERRANTE, O

Luiz Nazario reúne em "O Cinema Errante" três ensaios sobre Alberto Cavalcanti, David Perlov e Glauber Rocha, cineastas autoexilados do Brasil que têm em comum uma afirmação de identidade - simbólica ou real - judaica. Identidade voluntária em Cavalcanti, incontornável em Perlov, sentimental em Glauber, ela acompanha e marca as trajetórias errantes dos três brasileiros.
Perlov teve a visão da práxis do cinema ao presenciar, em São Paulo, uma filmagem de Cavalcanti, com quem selaria amizade mais tarde, já como cineasta em Israel, quando este rodava um documentário sobre Theodor Herzl. Apesar dessa proximidade, Perlov optou por uma via antagônica à de Cavalcanti, ao compor uma obra de cine-diário e introduzir na cultura israelense o conceito terceiro-mundista de "uma câmera na mão e uma ideia na cabeça", que Glauber lançaria mais tarde contra a "hollywoodiana" Vera Cruz. Cavalcanti, desiludido do Brasil e discordante de tal modo de fazer cinema, revidou, criticando os filmes de Glauber e seus rodopiantes cangaceiros a berrar no sertão. O Perlov mais maduro acabou contestando o cinema revolucionário, enquanto Glauber reviu as posições "terroristas" da Estética da Fome na Estética do Sonho e restituiu a Cavalcanti seu lugar de direito, que lhe negara quando afirmava a revolução do Cinema Novo.
--
ISBN: 9788527309684
Autor: Luiz Nazario
Páginas: 256
Coleção: ESTUDOS/E.309
Ano de publicação: 2013
Peso: 0,3 kg
Dimensões: 22,5 x 12,5 x 0 cm
CINEMA ERRANTE, O
R$60,00
Quantidade
CINEMA ERRANTE, O R$60,00

Conheça nossas opções de frete


Luiz Nazario reúne em "O Cinema Errante" três ensaios sobre Alberto Cavalcanti, David Perlov e Glauber Rocha, cineastas autoexilados do Brasil que têm em comum uma afirmação de identidade - simbólica ou real - judaica. Identidade voluntária em Cavalcanti, incontornável em Perlov, sentimental em Glauber, ela acompanha e marca as trajetórias errantes dos três brasileiros.
Perlov teve a visão da práxis do cinema ao presenciar, em São Paulo, uma filmagem de Cavalcanti, com quem selaria amizade mais tarde, já como cineasta em Israel, quando este rodava um documentário sobre Theodor Herzl. Apesar dessa proximidade, Perlov optou por uma via antagônica à de Cavalcanti, ao compor uma obra de cine-diário e introduzir na cultura israelense o conceito terceiro-mundista de "uma câmera na mão e uma ideia na cabeça", que Glauber lançaria mais tarde contra a "hollywoodiana" Vera Cruz. Cavalcanti, desiludido do Brasil e discordante de tal modo de fazer cinema, revidou, criticando os filmes de Glauber e seus rodopiantes cangaceiros a berrar no sertão. O Perlov mais maduro acabou contestando o cinema revolucionário, enquanto Glauber reviu as posições "terroristas" da Estética da Fome na Estética do Sonho e restituiu a Cavalcanti seu lugar de direito, que lhe negara quando afirmava a revolução do Cinema Novo.
--
ISBN: 9788527309684
Autor: Luiz Nazario
Páginas: 256
Coleção: ESTUDOS/E.309
Ano de publicação: 2013
Peso: 0,3 kg
Dimensões: 22,5 x 12,5 x 0 cm