CAMINHANTE NÃO HÁ CAMINHO. SÓ RASTROS
ISBN: 9788527309738
Autor: Ana Cristina Colla
Páginas: 208
--
Caminhante, Não Há Caminho. Só Rastros se insere na tradição recente de contiguidade entre a prática e a teoria em arriscados processos de experimentação que propõem novos olhares e novas formas espetaculares, e o faz de modo tão único quanto o é cada experiência em si. Por meio de uma narrativa híbrida entre o protocolo rigoroso da atividade criativa e o passeio lírico de uma artista pelos vastos campos da linguagem escrita, Ana Cristina Colla narra aqui a aventura da atriz e do ser humano no processo de criação do espetáculo solo. A inversão do fluxo natural da vida, combinada com a imaginação e a memória, permitiu recriar o viver no tempo poético da cena, presentificando-o no palco por meio de técnicas de dança, da mimese corpórea e do butô. De seu percurso, a partir de elementos aí colhidos, a performer desenvolve a busca de outros significados latentes nessa sulcada relação memória-corpo. Trata-se de recuperar o sabor/saber vertido em palavras que se havia perdido no corpo sempre tendente à acomodação, ciente de que, como ressalta seu guia e companheiro de investigação, Tadashi Endo, “o corpo é o passado e mover-se significa ir em frente”.
--
Mais informações:

Coleção: DEBATES/D.331
Ano de publicação: 2013
Peso: 0,2 kg
Dimensões: 20,5 x 11,5 x 0 cm
CAMINHANTE NÃO HÁ CAMINHO. SÓ RASTROS
R$28,00
Quantidade
CAMINHANTE NÃO HÁ CAMINHO. SÓ RASTROS R$28,00
ISBN: 9788527309738
Autor: Ana Cristina Colla
Páginas: 208
--
Caminhante, Não Há Caminho. Só Rastros se insere na tradição recente de contiguidade entre a prática e a teoria em arriscados processos de experimentação que propõem novos olhares e novas formas espetaculares, e o faz de modo tão único quanto o é cada experiência em si. Por meio de uma narrativa híbrida entre o protocolo rigoroso da atividade criativa e o passeio lírico de uma artista pelos vastos campos da linguagem escrita, Ana Cristina Colla narra aqui a aventura da atriz e do ser humano no processo de criação do espetáculo solo. A inversão do fluxo natural da vida, combinada com a imaginação e a memória, permitiu recriar o viver no tempo poético da cena, presentificando-o no palco por meio de técnicas de dança, da mimese corpórea e do butô. De seu percurso, a partir de elementos aí colhidos, a performer desenvolve a busca de outros significados latentes nessa sulcada relação memória-corpo. Trata-se de recuperar o sabor/saber vertido em palavras que se havia perdido no corpo sempre tendente à acomodação, ciente de que, como ressalta seu guia e companheiro de investigação, Tadashi Endo, “o corpo é o passado e mover-se significa ir em frente”.
--
Mais informações:

Coleção: DEBATES/D.331
Ano de publicação: 2013
Peso: 0,2 kg
Dimensões: 20,5 x 11,5 x 0 cm