FILOSOFIA CIBORGUE: PENSAR CONTRA OS DUALISMOS

TRADUÇÃO DE MARCIO HONORIO DE GODOY

Ciborgue aparece e se manifesta na cultura contemporânea de variadas formas: no cinema – em RoboCop ou O Exterminador do Futuro – ou nos mangás. Ciborgue se encarna em atletas envolvidos e expostos a doping, nas próteses médicas e nas fantasias da “humanidade ampliada, estendida” e até imortal. Mas Ciborgue é também – e acima de tudo – uma entidade filosófica. Esse híbrido de organismo e máquina de fato perturba dicotomias fundamentais de nosso pensamento: natureza/artifício, humano/não humano, idealismo/materialismo, masculino/feminino etc. A partir de uma leitura pessoal das obras de Georges Canguilhem e de Donna Haraway, Thierry Hoquet explora o enigma dessa figura: será Ciborgue um instrumento capaz de nos conduzir a uma humanidade livre de dualismos, pomba platônica sonhando com um céu sem vento, onde conseguiria voar mais livremente? Ou será que, pelo contrário, marca a nossa servidão a um sistema técnico de controle e de opressão, encarnação de uma humanidade perdida no estalido mecânico do aço? Pensar Ciborgue filosoficamente significa meditar a respeito das relações entre a máquina e o organismo e sobre a possibilidade de combiná-los. Trata-se também de pensar a diferença de sexos ligada à natureza e à técnica e, talvez, abrir caminho a um outro modo de articular o masculino e o feminino. Entenda-se: Ciborgue chega para perturbar a filosofia, pelo modo como descreve nossa condição e as contradições insolúveis a ela associada.

ISBN: 9788527311533
Autor: Thierry Hoquet 
Páginas: 376
Coleção: Big Bang
Ano de publicação: 2019
Peso: 0,418 kg
Dimensões: 21,0 x 14,0 x 2,5 cm

 

FILOSOFIA CIBORGUE: PENSAR CONTRA OS DUALISMOS
R$74,90
Quantidade
FILOSOFIA CIBORGUE: PENSAR CONTRA OS DUALISMOS R$74,90

Conheça nossas opções de frete

FILOSOFIA CIBORGUE: PENSAR CONTRA OS DUALISMOS

TRADUÇÃO DE MARCIO HONORIO DE GODOY

Ciborgue aparece e se manifesta na cultura contemporânea de variadas formas: no cinema – em RoboCop ou O Exterminador do Futuro – ou nos mangás. Ciborgue se encarna em atletas envolvidos e expostos a doping, nas próteses médicas e nas fantasias da “humanidade ampliada, estendida” e até imortal. Mas Ciborgue é também – e acima de tudo – uma entidade filosófica. Esse híbrido de organismo e máquina de fato perturba dicotomias fundamentais de nosso pensamento: natureza/artifício, humano/não humano, idealismo/materialismo, masculino/feminino etc. A partir de uma leitura pessoal das obras de Georges Canguilhem e de Donna Haraway, Thierry Hoquet explora o enigma dessa figura: será Ciborgue um instrumento capaz de nos conduzir a uma humanidade livre de dualismos, pomba platônica sonhando com um céu sem vento, onde conseguiria voar mais livremente? Ou será que, pelo contrário, marca a nossa servidão a um sistema técnico de controle e de opressão, encarnação de uma humanidade perdida no estalido mecânico do aço? Pensar Ciborgue filosoficamente significa meditar a respeito das relações entre a máquina e o organismo e sobre a possibilidade de combiná-los. Trata-se também de pensar a diferença de sexos ligada à natureza e à técnica e, talvez, abrir caminho a um outro modo de articular o masculino e o feminino. Entenda-se: Ciborgue chega para perturbar a filosofia, pelo modo como descreve nossa condição e as contradições insolúveis a ela associada.

ISBN: 9788527311533
Autor: Thierry Hoquet 
Páginas: 376
Coleção: Big Bang
Ano de publicação: 2019
Peso: 0,418 kg
Dimensões: 21,0 x 14,0 x 2,5 cm