Minicontos de "Nossas Outras Vidas" são flagrantes de existência de um mundo paulistano que encontrou o seu cronista em Eliezer Levin, autor de "Sessão Corrida: que me dizes avozinho? Crônicas de Meu Bairro e Bom Retiro". A fala deste recorte de vida judaica e brasileira se faz imagens de peculiaridades que repontam no dito sagaz e no humor dramático que continua a piscar suas agudezas e malícias, mesmo nas praias do Guarujá, e se entremostram em fototextos como: •• “Não saberia dizer qual a idade dele, era um guarda-chuva que sempre estivera pendurado no porta-chapéus do vestíbulo, um tanto fora de moda, é verdade, mas em perfeito estado. Desde que me conheço por gente, meu pai fazia uso dele. Chamava-o carinhosamente de meu umbrela.” •• “Paguei caro aquela carona. Meu amigo Jablonsky, que tem um belíssimo carro, ao me ver sem condução, fez-me o convite com um só propósito. Descarregar em alguém sua dor-de-cotovelo. Se eu soubesse, não teria aceito. Não conheço coisa mais cacete do que ouvir choradeira de um Romeu frustrado.” •• “Se você consultar o Rebe, ele achará sempre alguma coisa.” •• “A praia do Guarujá estava lotada como nunca, naquele último dia do ano. Maier ergueu-se de sua cadeirinha de lona e olhou para a esposa estendida sobre a esteira, o corpo todo lambuzado pelo creme do brozeador.”
--
ISBN: 9788527305945
Autor: Eliezes Levin
Número de páginas: 164
Coleção: Livro sem coleção
Dimensões: 14 cm x 21 cm
Peso: 0,200 kg


Aviso: este livro está com a capa e as páginas amareladas, apresentando, por vezes, manchas de “ferrugem”, devido à ação do tempo. Está, entretanto, em boas condições para leitura.
NOSSAS OUTRAS VIDAS
R$31,00
Quantidade
NOSSAS OUTRAS VIDAS R$31,00

Conheça nossas opções de frete

Minicontos de "Nossas Outras Vidas" são flagrantes de existência de um mundo paulistano que encontrou o seu cronista em Eliezer Levin, autor de "Sessão Corrida: que me dizes avozinho? Crônicas de Meu Bairro e Bom Retiro". A fala deste recorte de vida judaica e brasileira se faz imagens de peculiaridades que repontam no dito sagaz e no humor dramático que continua a piscar suas agudezas e malícias, mesmo nas praias do Guarujá, e se entremostram em fototextos como: •• “Não saberia dizer qual a idade dele, era um guarda-chuva que sempre estivera pendurado no porta-chapéus do vestíbulo, um tanto fora de moda, é verdade, mas em perfeito estado. Desde que me conheço por gente, meu pai fazia uso dele. Chamava-o carinhosamente de meu umbrela.” •• “Paguei caro aquela carona. Meu amigo Jablonsky, que tem um belíssimo carro, ao me ver sem condução, fez-me o convite com um só propósito. Descarregar em alguém sua dor-de-cotovelo. Se eu soubesse, não teria aceito. Não conheço coisa mais cacete do que ouvir choradeira de um Romeu frustrado.” •• “Se você consultar o Rebe, ele achará sempre alguma coisa.” •• “A praia do Guarujá estava lotada como nunca, naquele último dia do ano. Maier ergueu-se de sua cadeirinha de lona e olhou para a esposa estendida sobre a esteira, o corpo todo lambuzado pelo creme do brozeador.”
--
ISBN: 9788527305945
Autor: Eliezes Levin
Número de páginas: 164
Coleção: Livro sem coleção
Dimensões: 14 cm x 21 cm
Peso: 0,200 kg


Aviso: este livro está com a capa e as páginas amareladas, apresentando, por vezes, manchas de “ferrugem”, devido à ação do tempo. Está, entretanto, em boas condições para leitura.