Desde sua criação no final do século XIX, a Orquestra Filarmônica de Berlim era sinônimo de excelência na música de concerto. Gerida por seus próprios integrantes como uma cooperativa, passava por problemas financeiros gravíssimos nos anos de 1930, quando o nazismo ascendeu ao poder.
Percebendo a oportunidade de controlar e utilizar o prestígio internacional da gloriosa orquestra em seu projeto de poder, Joseph Goebbels fez o Estado assumir suas contas e programação. Protegida pelos nazistas e gozando de privilégios, a Filarmônica de Berlim empreendeu turnês internacionais antes e durante a Segunda Guerra Mundial e em um sem-número de ocasiões oficiais: desde a convenção anual do partido, em Nurembergue, até a abertura dos Jogos Olímpicos de 1936, ou no aniversário de Hitler. A orquestra aceitou essas vantagens como uma combinação de agradecimento e receio, ao mesmo tempo que buscava justificativas para sua posição no regime.
A Orquestra do Reich: A Filarmônica de Berlim e o Nacional-Socialismo, 1933-1945, oferece, pela primeira vez ao leitor, um retrato abrangente da relação entre o regime de Hitler e sua grande joia musical. Ao fazê-lo, analisa a posição ideológica dos músicos, a complexa burocracia do nazismo e a intensidade de sua política cultural. O resultado é um livro surpreendente e rigoroso, que jamais se rende à simplificação. Ao contrário, Misha Aster abre passo em uma trama complexa, na qual confluem a arte musical, o poder criminal dos nazistas e o pavoroso efeito da Segunda Guerra Mundial, extraindo dali verdades contundentes, matizadas pela inteligência e avalizadas por uma exaustiva investigação.
ISBN: 9788527309691
Autor: Misha Aster
Páginas: 368
Tradutor: Rainer Patriota e Nelson Patriota
Coleção: ESTUDOS/E.310
Ano de publicação: 2013
Peso: 0,45 kg
Dimensões: 22,5 x 12,5 x 0 cm
ORQUESTRA DO REICH, A
R$74,90
Quantidade
ORQUESTRA DO REICH, A R$74,90

Conheça nossas opções de frete


Desde sua criação no final do século XIX, a Orquestra Filarmônica de Berlim era sinônimo de excelência na música de concerto. Gerida por seus próprios integrantes como uma cooperativa, passava por problemas financeiros gravíssimos nos anos de 1930, quando o nazismo ascendeu ao poder.
Percebendo a oportunidade de controlar e utilizar o prestígio internacional da gloriosa orquestra em seu projeto de poder, Joseph Goebbels fez o Estado assumir suas contas e programação. Protegida pelos nazistas e gozando de privilégios, a Filarmônica de Berlim empreendeu turnês internacionais antes e durante a Segunda Guerra Mundial e em um sem-número de ocasiões oficiais: desde a convenção anual do partido, em Nurembergue, até a abertura dos Jogos Olímpicos de 1936, ou no aniversário de Hitler. A orquestra aceitou essas vantagens como uma combinação de agradecimento e receio, ao mesmo tempo que buscava justificativas para sua posição no regime.
A Orquestra do Reich: A Filarmônica de Berlim e o Nacional-Socialismo, 1933-1945, oferece, pela primeira vez ao leitor, um retrato abrangente da relação entre o regime de Hitler e sua grande joia musical. Ao fazê-lo, analisa a posição ideológica dos músicos, a complexa burocracia do nazismo e a intensidade de sua política cultural. O resultado é um livro surpreendente e rigoroso, que jamais se rende à simplificação. Ao contrário, Misha Aster abre passo em uma trama complexa, na qual confluem a arte musical, o poder criminal dos nazistas e o pavoroso efeito da Segunda Guerra Mundial, extraindo dali verdades contundentes, matizadas pela inteligência e avalizadas por uma exaustiva investigação.
ISBN: 9788527309691
Autor: Misha Aster
Páginas: 368
Tradutor: Rainer Patriota e Nelson Patriota
Coleção: ESTUDOS/E.310
Ano de publicação: 2013
Peso: 0,45 kg
Dimensões: 22,5 x 12,5 x 0 cm